É bem provável que seu pensamento está neste momento tentando compreender o que diabos eu quero dizer. Afinal, pela lógica, quem busca uma boa nota deverá adquirir conhecimento, ou vice-versa. Além disso, podemos até concluir que o estudante "tiradozinho" de 10 vai ser o melhor profissional do mercado. Porém, inacreditavelmente, eu discordo e digo mais, se você pensa assim tome cuidado! Uma boa nota não significa muita coisa quando não sabemos gerenciar o conhecimento que nos levou a adquiri-la.

Quando eu digo que uma boa nota não é lá muita coisa, basta lembrar de quantos 10 você já conseguiu até hoje em sua vida escolar ou universitária. Agora tente identificar o quanto de conhecimento você conseguiu armazenar. Caso tenha lembrado de muita coisa, será se consegue demonstrar o aprendizado de maneira prática! Se você ficou na dúvida, é sinal que o gerenciamento do seu conhecimento falhou, ou seja, de nada adiantou buscar uma boa nota se não assimilou o conteúdo [parafraseando frase de Charlie Brown Jr].

A grande lição é que precisamos deixar de buscar uma boa nota para impressionar colegas, familiares ou simplesmente pensando em passar de ano, período ou deixar o histórico escolar cheio de 10. Na verdade, devemos assimilar o conhecimento, e isso deve ser feito corretamente. Pois a nota será uma mera consequência da internalização do aprendizado. Pois em nenhum momento ao sairmos para o mercado de trabalho em busca de uma vaga, um entrevistador vai nos perguntar quantos dez tiramos no decorrer do curso ou em determinada disciplina. O que vai importar, principalmente no jornalismo, é se sabemos fazer. Entenda que eu não estou querendo dizer que não devemos buscar um dez, mas que devemos fazê-lo da forma correta.

Quando digo que precisamos gerenciar nosso conhecimento, refiro-me ao fato de que precisamos, em especial no jornalismo, buscar aplicar os dois tipos básicos; o explícito e o tácito. Em nossa área de atuação é muito fácil adquirirmos o conhecimento explícito. Ainda mais quando temos livros tão específicos pra cada área do jornalismo como, por exemplo, os vários títulos disponíveis sobre telejornalismo. Em outras palavras, conhecimento explícito é falarmos das etapas de um processo como a reportagem.

Já o conhecimento tácito é bem mais complicado. Ele não pode ser demonstrado em palavras, só "rola" quando usado. Precisamos demonstrá-lo através da prática. Esse é tipo de conhecimento que só se adquiri com a "mão na massa". Depende de nossas experiências de vida e de muito treino.

Portanto, temos algo muito mais importante do que correr atrás de um dez. Precisamos aprender a gerenciar o nosso conhecimento, potencializando-o de uma forma a contribuir verdadeiramente com a nossa vida profissional.

Grande abraço e até breve!







Comentários: