25 de junho de 2013



A escalada, jornalisticamente falando, é um nome técnico que se dá para a abertura de um telejornal. Trata-se de segundos decisivos em que as principais notícias do dia são narradas pelos apresentadores em um ritmo alucinante e de forma impactante. Um ritmo hipnotizante!

Ao vivo ou gravada, a principal função da escalada é prender a atenção do telespectador. Na minha opinião, é o lead de um telejornal. O momento de ganhar ou perder a audiência de alguém!

Embora o nome mude, a escalada está presente em todos os formatos da comunicação. Revistas, jornais impressos, portais de notícias, programas radiofônicos entre outros dependem de uma boa "escalada" pra "subirem" na audiência. Calma, como diz o jornalista Marcelo Rezende, "acompanhe meu raciocínio" que você vai entender.

Leia também:
+ O que é pauta no jornalismo
+ O que é lead no jornalismo
+ O que é gancho no jornalismo
+ O que faz Assessoria de Imprensa

No caso da revista, a escalada vai se "traduzir" em uma boa capa. Uma manchete impactante aliada ao bom design gráfico serão responsáveis por prender a atenção do leitor a ponto de convencê-lo a comprar um exemplar. Porém, às vezes, basta uma pitada de sensacionalismo pra atrair o olhar dos leitores.

Nesse ponto destaco a capa da revista Veja, edição de 25 de janeiro de 2012, que literalmente botou uma mulher de quatro com uma tarja preta no "caneco" [risos]. Engraçado, mas é verdade. Essa ousadia da Veja passou dos limites e confirma o que eu disse na postagem sobre o que é notícia.

A ousadia da publicação atraiu a atenção e as críticas. Sobre o assunto recomendo que você leia o que escreveu Álvaro Alves de Faria no Blog do Poeta

O fato é que a ideia da escalada sempre estará presente, embora tenhamos outros termos ou definições para cada meio de comunicação. Então, vamos aprender um pouco mais sobre a escalada no jornalismo.

Qual a estrutura ideal de uma escalada?
A estrutura de uma escalada vai depender da linha editorial do veículo de comunicação e, claro, das pautas que foram desenvolvidas para o programa. Quanto às pautas, eu já falei sobre elas, embora não tenha sido para telejornalismo a ideia permanece, reveja.
Embora dependa da linha editorial, acho muito difícil algum louco [só muita loucura mesmo] começar destacando notícias menos relevantes. A regra é destacar os principais fatos do dia no início da escalada. Os últimos são mais leves, geralmente são destaques do esporte.

A escalada é ao vivo ou gravada?
Pode ser ao vivo e gravada. O perigo da "falha" continua, de um jeito ou de outro. No caso da escalada ao vivo, deve haver uma sincronia forte com entrada de cena, corte de câmera, trilha durante a narração e, claro, os apresentadores não podem gaguejar [risos].

A escalada gravada é que nem relacionamento extraconjugal, uma hora complica e te lasca [risos]. Embora seja produzida antes e editada, ela pode apresentar alguma falha técnica. É um verdadeiro "pega pra capar" [risos] que

os apresentadores do Jornal Nacional, William Bonner e Patrícia Poeta, já sabem o significado. O fato ocorreu no dia 18 de março/2013 quando a escalada fracassou.

- Jornal Nacional começa com erro na escalada

Conclusão
A escalada é um recurso importante, porém já necessita de uma nova roupagem. Apoiando-me nas palavras de Antonio Brasil, registradas no Antimanual de Jornalismo, o telejornalismo precisa sair da mesmice e inovar.

Recomendo que busque conhecer mais sobre telejornalismo através de leituras como, por exemplo, do Manual de Telejornalismo. Uma leitura obrigatória!







Comentários: