16 de junho de 2013



Tornar-se apresentador de telejornal e fazer grandes reportagens são alguns dos sonhos de jovens estudantes de jornalismo. No entanto, lendo notícias sobre nossa área observo que aqueles de visão romântica podem ficar frustrados. 


Reportagem da exame.com revelou que o jornalismo é uma área profissional em baixa. Especialistas em recrutamento, os chamados headhunters, alertam que “a profissão mudou, [e] se o profissional quiser ser jornalista como se era antigamente vai encontrar dificuldade”.

A própria imprensa vira notícia e ajuda a acabar com a visão romântica de alguns acadêmicos. O blog Knight Center - Jornalismo nas Américas - revela que "demissões em massa em jornais e revistas geram debate sobre precarização e futuro do jornalismo no Brasil". O Estadão completa ao revelar que o "Brasil é 3º em número de jornalistas mortos".



Já as recentes manifestações contra a alta da tarifa de transporte em São Paulo nos mostra que ser jornalista requer coragem, pois o perigo é inerente ao cargo. Jornalistas deixam de informar e viram notícia. Um exemplo é a matéria publicada pela Folha revelando que "pelo menos 15 jornalistas ficaram feridos durante a cobertura dessas manifestações".

A matéria, assinada por Sabine Righetti, revela que entre as "agressões sofridas pelos jornalistas estão tiros de bala de borracha, golpes de cassetete, bombas de gás lacrimogêneo, spray de pimenta e até atropelamento por viatura da Polícia Militar".

Logo, diante de tudo isso, o jornalismo parece deixar de ser um curso interessante. 

Então, jornalismo pra você é um sonho ou pesadelo? Qual será o futuro dos estudantes de jornalismo?







Comentários: